Featured

O Natal que emociona

By 6 de dezembro de 2018 Sem comentários

 

O Natal que emociona

 

Construir a imagem de uma família sentada no sofá em frente à televisão com uma árvore de Natal decorada e cheia de luzes ao lado sempre foi fácil de fazer. Uma parte dela estava (e está) impregnada nas campanhas natalinas que compactuam a junção dos momentos felizes com os símbolos da época vermelha do ano em uma construção de felicidade e afeto.

Essas imagens construídas em cima do forte cheiro de naftalina que fica na casa quando a árvore sai da caixa que estava guardada, dos milhões de nós que o pisca-pisca consegue fazer mesmo sem ninguém tocar nele e da música repetida que afirma que é Natal propõem caminhos comuns para que a mensagem desejada pelos anunciantes chegue ao público-alvo na época do ano que mais se vende.

Quando chega o Natal, as energias se renovam e passamos a valorizar em uma intensidade diferente tudo aquilo que nos faz bem. Nesse aspecto, família, amigos e pessoas que gostamos aparecem com destaque na sincronização da emoção.

Nas campanhas que dominam as mídias nessa época, a celebração do amor aparece em primeiro plano. Independente da forma que ele surge, seja por um olhar, um aperto de mão ou pelas palavras ditas, o que vale é o sentimento que domina os materiais. E há muitas peças publicitárias belíssimas que dizem isso e que hoje fazem parte da história do Natal.

Há campanhas criadas que emocionam, que envolvem a empatia das pessoas, que afloram o lado sentimental e amolecem o coração. Mas associar essa proposta criativa com os produtos das marcas se apresenta como uma dificuldade pela limitação imposta na criação das ideias.

Nessas situações, a apresentação da marca como um produto e a criação de valores ligados ao lado emocional é um ativo intangível que constrói fatos perceptíveis no retorno ao cliente e na valorização das vendas.

Consumidores sentem e pensam algo a mais pela marca a partir da experiência direta ou indireta que teve com a mesma. Nesse aspecto e fugindo da mostra dos produtos na apresentação das construções publicitárias, várias marcas apresentam campanhas institucionais que priorizam o valor da marca através de histórias atrativas que envolvam a emoção das pessoas.

Essa é uma forma de aproximação que funciona muito bem em diversas partes do mundo, aqui no Rio Grande do Sul, inclusive. Desde 1999 a Cia. Zaffari nos surpreende com um novo e tocante vídeo a cada dois anos.
Entre eles, está o comercial de 2005 “Fico assim sem você” que muita gente deve lembrar.

Em 2011, a proposta de um “Natal em família” acariciou os corações de quem mora longe.

Fora do Brasil e já desbancando gigantes como a Coca-Cola, a rede britânica John Lewis nos presenteia com comerciais que são tão importantes para o Natal quanto as reuniões de família. Envolvendo histórias de imaginação, amizade, amor e sempre com uma trilha sonora impecável, as produções da loja de departamento são aguardadas para emocionar todos os cantos do mundo.
Como não se identificar com essa história de amizade e amor?

Ou com essa?

E que tal viver a carreira de um dos maiores cantores de todos os tempos em pouco mais de 2 minutos:

Na Polônia, a maior loja online do país também fez a sua versão para mostrar um Natal emocionante em 2016.

Apostando em uma história real, a rede de supermercados inglesa Sainsbury aproveitou a oportunidade dos 100 anos da trégua de Natal na Primeira Guerra e criou uma celebração especial para a data.

Todas essas marcas apostaram no impacto emocional para atingir seus públicos. Uma estratégia de marketing que funciona pelo desdobramento direto na emoção neste momento mágico. Nesse formato, as organizações tratam os consumidores atendendo suas necessidades e preocupações, não restringindo a sua atuação apenas à idealização aos produtos e serviços, mas chegando também ao lado emocional e espiritual.

E entre as marcas que utilizam dessa estratégia, o supermercado alemão Edeka apostou nessa linha de construção do valor de marca em 2016. E bom, não há nada o que falar, veja o vídeo e já prepare a mensagem para a família e para se apaixonar pela marca, mesmo sem conhecê-la.

 

Emerson Santin
Redator

 

Voltar    Todas as notícias

 

Responder